sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Sofá e pipoca: O segredo dos seus olhos (Spoiler alert)

Roseane Mendes

Estou me perguntando neste momento: Por que eu ainda não falei de O segredo dos seus olhos para meus leitores? Não, sei. Porque esse é simplesmente um dos filmes mais tocante e mais incrível que já vi na vida. 

O segredo dos seus olhos  tem como astro principal Ricardo Darín, um ator argentino simplesmente genial. Esse filme foi o vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2010, prêmio mais que merecido, dirigido por Juan José Campanella. O Segredo dos seus olhos consegue retratar a violência de uma maneira sensível e poética. Ao terminar de assisti-lo fiquei envolta  por muito tempo em uma atmosfera de poesia, quando o esperado seria sentir sua violência. 


O enredo do filme é uma mistura entre o presente (tempo da história) e passado (fashback): anos de 1999 e 1974 ( período conturbado da história argentina devido a ditadura militar e a crescente violência na época). Darín é Benjamin Espósito que depois de se aposentar no tribunal penal, decide escrever um romance. O tema do romance que está sendo escrito é um crime ocorrido em 1974, o qual ele era um dos investigadores. Esse crime nunca saiu da sua cabeça e ele se envolve de maneira íntima e pessoal com o caso. Tal caso se trata de um crime hediondo no qual uma jovem mulher é violentada e morta dentro da sua própria casa. Ela estava recém casada com o bancário Ricardo Morales (Pablo Rago). A história de amor entre Liliana e Ricardo é interrompida de maneira tão brutal que nenhum dos envolvidos com caso conseguiram superar. 

A cena do encontro do corpo da Liliana é forte e marcante tanto para os personagens quanto para os telespectadores. Benjamin está tentando descrever o que viu e viveu durante a investigação e para isso, precisa de ajuda. Então, ele decide procurar Irene Menéndez (Soledad Villamil). Eles se conheceram no Tribunal penal quando Irene era uma jovem promissora e ele um investigador que desafiava a instituição em que trabalhava. Passados vinte e cinco anos desde a última vez que se viram, o olhos de ambos denunciam a profundidade do envolvimento entre eles. 

Em um dos muitos flashbacks, Benjamin se lembra de uma de suas conversas com o Ricardo. O viúvo pergunta a ele qual seria a pena do assassino de sua esposa. Espósito lhe responde que seria prisão perpétua já que na Argentina não havia pena de morte. E aí vem uma das muitas falas marcantes desse filme. Ricardo diz que é contra a pena de morte porque ela é rápida e indolor, que ele deseja a prisão perpétua para que o assassino saiba o que é ter uma vida cheia de vazios, cheia de nada. Cara, meus olhos simplesmente se tornaram excessivamente sensíveis nessa hora. 

Sem nenhuma pista de quem seria o assassino de Liliana, Benjamin pede a Ricardo que lhe conte mais sobre a vida dela e quem eram as pessoas do seu circulo de amizade. Então, ele mostra ao investigador um álbum de fotografias do casal. O álbum conta a história deles desde a infância, foi quando se conheceram, até o casamento. Entre tantas fotos, uma chama a atenção de Benjamin. É uma foto em que eles estão com um grupo de amigos e um deles encarava Liliana. Sim, esse é um dos segredos dos seus olhos! O olhar daquele homem para com a jovem, chamou a atenção do investigador. Aquele olhar não era qualquer olhar. Então, Benjamin pergunta a Ricardo quem seria aquele homem. E ele era um velho conhecido de Liliana. 

A partir dessa descoberta o filme se torna mais tenso e por incrível que pareça mais poético. Sim! A violência e a tensão nesse filme tem uma poesia que é difícil de acreditar. É preciso muita genialidade para conseguir tal feito. Benjamin é lançado a muitos desafios. Como encontrar aquele homem? Como provar que ele é o assassino? E como conseguir a condenação máxima?

Enquanto Espósito está totalmente envolvido com o caso, ele também se vê envolvido com Irene. Porém, a paixão entre eles é platônica porque ela é uma jovem equilibrada, tradicional e noiva. Ele está se arriscando questionando um sistema e correndo riscos. Mas, os olhos deles também falam. Falam o tempo todo. Vinte e cinco anos se passaram e ele está diante dela, a olhando com a mesma intensidade e sendo correspondido neste olhar. Agora ela é uma mulher bem sucedida, casada e mãe. 

Sabe quando eu disse que a fala do Ricardo é uma das muitas falas marcantes? Pois, é. Vou descrever mais uma. Quando Benjamin e Pablo, seu assistente, estão a procura de Gomez (o assassino) e parece não conseguir chegar no encausto dele. Pablo averígua que o assassino é apaixonado por futebol, mais especificamente apaixonado pelo time Racing. Aí vem a fala de Pablo "Um homem pode mudar de tudo, de casa, de cidade, de amigos. Mas, não pode mudar de paixão." Então, eles chegam a conclusão de que ele irá ver o jogo do Racing na cidade. E nós, concluímos que o filme gira em torno disso: da nossa incapacidade de mudar de paixão. A paixão por uma mulher, a paixão pelo trabalho, a paixão pela bebida, a paixão pelo poder... e por aí vai.

Pablo e Benjamin vão até o estádio de futebol no dia do jogo do Racing e lá está o assassino. A cena de perseguição ao assassino no estádio lotado em dia de jogo de verdade, foi feita sem corte. Isso mesmo! Sem corte! 

Depois de tanta perseguição e fugas, Gomez é preso e levado até o tribunal para prestar depoimento. Mas, o assassino a princípio veste a máscara do cordeiro frágil e inocente. E Benjamin consegue tirar muito pouco dele. Até que Irene entra na sala, e mais uma vez o olhar dele o denuncia. Ela percebe a maneira como ele a olha e decide provocá-lo. Insinua que ele não pode ser o assassino, porque é uma homem fraco demais para conseguir dominar uma mulher forte como era Liliana. Gómez não consegue controlar a sua fúria diante daquela mulher dizendo que ele é um nada como homem, e se entrega. 

Para a tristeza de Ricardo, de Benjamin, de Pablo e de Irene a justiça absolve Gomez. E como não bastasse, ele vira segurança de uns dos promotores do tribunal. Foi um golpe demasiadamente forte para todos. Nesse tempo, Pablo é assassinado por engano. O crime encomendado era para Benjamin. Achou demais?! Calma! Benjamin descobre que Pablo sabia que seria morto em seu lugar e manteve o engano escondendo uma foto dele que poderia revelar o equívoco e assim salvá-lo. Isso foi a pá de cal para ele. Então, ele decide partir. Antes, ele descobre que Gómez está desaparecido. Ao investigar, ele suspeita que Ricardo o matou porque encontra o carro do assassino de Liliana com marca de balas na lataria. Ele não o denuncia.

No seu retorno a cidade, 25 anos depois, para escrever o seu romance e reencontrar Irene;  ele procura por Ricardo. O viúvo está vivendo em uma casa afastada do centro e sem vizinhança. Na casa a foto de Liliana continua na estante da sala, como estava na casa anterior. Então, Benjamin pela primeira vez o interroga sobre o desaparecimento de Gómez. E Ricardo diz mais uma daquelas falas poéticas do filme: "Pare de pensar Espósito, pare de pensar. Senão, você fica com vários passados e nenhum futuro. Não pense".

Porém, ao sair da casa Espósito continua pensando. E pensa nos detalhes da casa, nas conversas que teve com Ricardo a vinte e cinco anos atrás. E ele se lembra que na mesa de Ricardo havia uma prato de alumínio com resto de comida e um outro prato de vidro. Se lembra que Ricardo desejava para Gómez prisão perpétua e não pena de morte. Porque para Ricardo a morte seria  um  alívio e o que ele desejava para o assassino de sua mulher era uma vida cheia de vazios. Se lembrou de Pablo dizendo que um homem não muda de paixão. Então, Espósito decide voltar a casa de Ricardo e dessa vez o observa de longe. Ele vê o viúvo indo até os fundos da casa e o segue. Quando ele chega lá, vê que Ricardo construiu uma espécie de cela e por vinte e cinco anos mantém Gomez preso. Gómez pede ajuda a Benjamin, mas ele parte sem dizer uma só palavra. 

Embora, eu tenha contado quase que o filme todo. Não deixem de assistir porque essa texto não faz justiça a essa verdadeira obra de arte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale conosco