terça-feira, 31 de dezembro de 2013

De repente 30... O que aprendi nessas 3 décadas de vida.

Oi, pessoal! Festas de fim de ano e a gente tira um tempinho para aproveitar. Além disso, dia 23 foi meu aniversário, aproveitei para descansar, pegar um cineminha, essas coisas. E o tempo não perdoa! Ainda não acredito que os 30 chegaram, sei lá, me sinto muito mais nova, mesmo tendo responsabilidades próprias da idade, minha cabeça é muito mais jovem. Mas, quando eu paro para pensar, vejo que muito foi aprendido nesses anos e vou dividir um pouco com vocês. 


1. Nem sempre você vai estar no topo da carreira aos 30. 
Quando eu era mais nova, costumava pensar que aos 30 eu teria um empregão, um salarão, uma vida cheia de "ãos". Aprendi que não é assim que as coisas funcionam. Como capricorniana, estou sempre lá, fazendo minha parte para subir a montanha, mas é minha montanha pessoal. Procuro sempre fazer o melhor que eu posso ser, mas isso não tem nada a ver com o topo que a gente ver nos filmes, nada a ver com ser uma super executiva, com ter um cargo de chefia. Também aprendi que isso não tem assim tod essa importância.

2. A opinião dos outros é dos outros. 
Confesso que já fui tão mais preocupada com a opinião alheia... Hoje vejo que não ajuda em nada ficar se importando com o que os outros vão pensar de você, das suas atitudes. Sabe aquela màxima de "não se pode agradar gregos e troianos"? É a mais pura verdade. Uns vão te achar magra demais, alta demais, estranha demais e outros vão pensar exatamente o contrário. 

3. Se aceitar como você é. 
Chega de neuras! Como a gente fica tentando agradar os outros, acaba esquecendo quem você é de verdade e começa a tentar ter a imagem que os outros (amigos, família, a mídia) pintam para você. Quando você começa a gostar de você do jeitinho que você é, parece a conquista da liberdade. Vocês, que acompanham o blog, viram a minha saga em aceitar meus cachos e nunca me senti tão livre. 

4. Aceitar os outros como são.
Você já se pegou tentando mudar um outra pessoa? Um amigo, alguém da família, o cônjuge? A gente faz isso, né! De uns tempos pra cá, eu comecei a me policiar e aceitar mais as pessoas como são. É praticamente matemática: se você aceita as pessoas como são, acaba criando menos expectativas, se cria menos expectativas se decepciona mesmo, então, as relações acabem ficando melhores!

5. O importante não é O que você tem e sim QUEM você tem. 
Com o tempo você valoriza mais as pessoas que você tem na sua vida do que os bens materiais conquistados. A família, os amigos, um amor são muito mais valiosos que qualquer carro importante. Estar ao lado das pessoas que você ama e que te amam de volta é a melhor coisa do mundo.

6. O verdadeiro príncipe encantado é aquele que te ama. 
Me lembro, quando era adolescente, de ficar idealizando uma pessoa, alguém quase perfeito com quem eu iria me casar, ter dois filhos e morar numa casa com cerquinha branca e um cachorro. Depois de um tempo você cai na real e vê que o importante mesmo é encontrar alguém que te ame como você é e te respeite. 

7. O importante é ter saúde e alegria
Quando se é mais jovem e as pessoas te desejam saúde, você acaba não dando tanta importância. Com o tempo, vai percebendo o quanto ter saúde é importante. Se você tem saúde e tem alegria no coração, fica muito mais fácil correr atrás das coisas. 

Não foi apenas isso, mas foi o que consegui expressar. Espero que tenham um 2014 cheio de saúde e alegria! 

Ano que vem tem novidades pintando aqui. Aguardem! 

Tati 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale conosco