segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Sofá e pipoca: A companhia dos lobos

Por Rose
Ficha Técnica
título original:The Company of Wolves
gênero:Terror
duração:1 hr 35 min
ano de lançamento: 1984
estúdio: Cannon Films / Incorporated Television Company
distribuidora: Cannon Films / U.G.C. Worldwide Distribution
direção: Neil Jordan
roteiro: Neil Jordan, baseado no conto "Chapeuzinho Vermelho", de Angela Carter
produção: Chris Brown
música: George Fenton
fotografia: Bryan Loftus
figurino: Elizabeth Waller
edição: Rodney Holland
Como havia prometido essa é a minha sugestão para ver na poltrona da sua casa. Esse filme é para cabeçudos, mas como nós temos em nossas cabecinhas mais que madeichas bem tratadas; um cérebro ainda mais cuidado. A companhia dos lobos está longe de ser aqueles enlatados holliwoodianos de fácil entendimento. Ele é baseado no  conto da chapeuzinho vermelho, assim como A garota da capa vermelha.


Esse é uma versão adulta da fábula de Chapeuzinho vermelho. Neil Jordan fez adaptações simbólicas maravilhosas, como a substituição do Lobo Mau pelo Lobisomem, mas manteve ao clássico diálogo da Chapeuzinho com o Lobo e a sua simbólica capa vermelha.

A história se passa no século XVIII com uma grande ruptura mostrada pela aparição de Satã em um automóvel. Sarah Patterson é Rosaleen, a nossa chapeuzinho de 14 anos, que começa a ter pesadelos depois que testemunha a sua irmã mais velha sendo morta por um lobo . O enredo não é muito fácil de entender, já que há momentos em que não conseguimos definir o que é sonho e o que é realidade. O simbolismo sexual é muito mais óbvio. Temos a avó Grannie que representa a família repressora, que está o tempo todo tentando afastar a menina dos impulsos sexuais; representados pelos lobos “peludos por dentro”.

A avó conta a menina história sobre homens sedutores de sobrancelhas grossas (Cuidado meninas! Não confiem em homens de sobrancelhas grossas. kkkkkk), que são lobos “peludos por dentro”. A partir dessas histórias o filme vai e volta no tempo livremente e inclui flashbacks de diferentes personagens. Há um diálogo da avó que eu acho super poético, que é o seguinte (desculpe mas não consegui a transcrição em português): “ay de aquella que el sendero deja, no os fieis de ningun forastero si quereis elegir vuestro derrotero, sed bellas pero tambien sagaces, un lobo se esconde tras mil disfraces, ahora como antes es una verdad evidente cuanto mas dulce la lengua mas afilado el diente.”



Simbologia é o que permeia esse filme, o que faz o entendimento um pouco mais difícil. Devido aos flashbacks e a mistura de sonho e realidade, o enredo se torna um pouco lacunar. É aí que nossos cérebros entram em ação.

Rosaleen encontra com um estranho viajante solitário, que acaba por despertar por completo sua sexualidade. O sexo é associado a natureza animal do ser humano: “o lobo que cada um carrega dentro de si, tanto homens quanto mulheres”, diz uma personagem (ui!!!! Kkkkk). Esse estranho aposta com Rosaleen que é capaz de chegar a casa da vovó primeiro, e caso ela perda, ele ganha um beijo. A menina trava com esse estranho de sobrancelhas grossas, um malicioso jogo de sedução.

(Mais uma vez desculpa, eu não consegui achar com legenda)

O lobo e o homem são muito bem simbolizados pela aparição do lobisomem, que ocorre em momentos diferentes no filme.

Portanto, meninas! Entendam bem: quanto mais doce a língua, mais afiado os dentes kkkkkk.

Bjim e até breve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale conosco